Total de visualizações de página

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

MUSEU DO PAÇO IMPERIAL - PENEDO/AL


MUSEU DO PAÇO IMPERIAL - PENEDO/AL

A cidade de Penedo, em Alagoas, respira História em cada esquina de sua área central e um dos pontos mais importantes desta área é, justamente, o alvo de nossa visita virtual de hoje.

O Museu do Paço Imperial está instalado no casarão que hospedou D. Pedro II em 1859, quando de sua visita à cidade, rumo à Cachoeira de Paulo Afonso.

Hoje o local abriga, em seu piso inferior, a exposição permanente em memória do Dr. Raimundo Marinho, ex-prefeito da cidade.

No piso superior, a exposição, também permanente, de inúmeras lembranças do período imperial, desde quadros e móveis, até louças, vestimentas, livros e outros objetos que datam do período.

Visite virtualmente clicando aqui e, assim que puder, vá pessoalmente e delicie-se com as peças e com a maravilhosa vista do Velho Chico, a mesma que encantou Sua Majestade Imperial, D. Pedro II. Assim como ele, você jamais vai esquecer!
 
Continua...

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

IDADE MÉDIA II - A SENHORA DOS DESTINOS


O PODER DE ROMA RESSURGE!

Nesta nova aula vamos ver que, no Ocidente, o poder do Império Romano vai, aos poucos, ressurgindo através da Igreja Católica, que domina com mãos de ferro quase todos os aspectos da vida na Idade Média.
Nosso vídeo aborda o assunto e esperamos que possa ser de interesse para você e/ou seus alunos. 
Assista o vídeo clicando aqui. Ou, se preferir, veja os slides na aba História Geral do Reino de Clio!



MAX - MUSEU DE ARQUEOLOGIA DE XINGÓ - SERGIPE

O SERTANEJO PRÉ HISTÓRICO
O M.A.X. - Museu de Arqueologia de Xingó, pertencente à Universidade Federal de Sergipe – UFS, é um museu localizado na cidade de Canindé de São Francisco, em Sergipe, ao lado da Usina Hidrelétrica de Xingó, na divisa com o Estado de Alagoas.

Trata-se de um belo museu, criado para abrigar os achados arqueológicos oriundos das pesquisas feitas antes da construção da Usina Hidrelétrica.
 
Dono de um vasto acervo, o MAX conta a História dos ancestrais sertanejos que viviam às margens do Rio São Franciso, milênios antes dos fenícios inventarem a escrita.

O Reino de Clio convida você, seus amigos e seus alunos a conhecer o MAX, fazendo a visita virtual clicando aqui. E, quando puder, visite pessoalmente. Você jamais vai esquecer!
 
Continua...


ESPECIAL 1



IMPERATRIZ LEOPOLDINA MATRIARCA DA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL – Parte X
O gesto histórico da Proclamação da Independência foi jubilosamente aclamado pelo povo, agora brasileiro, mas foi mal visto na maioria das cortes européias, em especial na Áustria, impressão que Leopoldina tratou logo de combater, em cartas escritas ao pai.
Quando D. Pedro foi coroado Imperador, D. Leopoldina estava à sua frente, vestindo “...um longo manto de cetim verde e amarelo bordado de ouro...”, ocupando um lugar de destaque que, certamente, fizera por merecer. Mas este lugar estava sob ameaça como nunca antes, pois na viagem a São Paulo, D. Pedro conhecera Domitila de Castro.
Coroação de D. Pedro I - Leopoldina está no alto à esquerda
Nos meses seguintes, ainda sem saber da nova paixão do marido, Leopoldina seguiu ajudando a este e travando uma batalha diplomática que visava conquistar o apoio do Império Austríaco, na pessoa de seu pai, ao novo país, do qual era Imperatriz.
Juramento de Leopoldina à Constituição do Império
Em uma destas cartas, na qual argumenta com vantagens econômicas do estabelecimento de relações comerciais entre os dois impérios, Leopoldina encerra com uma declaração maravilhosa:
Agora só me resta desejar que vós, querido papai, assumais o papel de nosso verdadeiro amigo e aliado […] se acontecesse o contrário, para nosso maior pesar, sempre permanecerei brasileira de coração... (pg. 193)
Mas, se por um lado havia quem lutasse constantemente pelo país, por outro havia aqueles que conspiravam contra ele e estes conseguiram uma aliada poderosa na pessoa de Domitila de Castro que, segundo José Bonifácio, recebia dinheiro dos adversários para fomentar ataques.
Infelizmente, porém, estes foram bem sucedidos e José Bonifácio acabou sendo demitido, depois preso e deportado. Começava o declínio de D. Pedro I e a fase de sofrimento mais agudo de D. Leopoldina.

Continua...


1Marsilio Cassotti. A biografia íntima de Leopoldina: a imperatriz que conseguiu a independência do Brasil. São Paulo: Planeta, 2015


Se perdeu alguma parte anterior desta série, clique aqui e na imagem correspondente.
Compre nosso livro CAMINHOS DO IMPERADOR - D. Pedro II em Sergipe clicando aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook, clicando aqui.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

MUHSE – MUSEU DO HOMEM SERGIPANO - ARACAJU/SERGIPE

 
A TRAJETÓRIA HUMANA NAS TERRAS DE SERGIPE
 
O MUHSE, Museu do Homem Sergipano, pertencente à Universidade Federal de Sergipe – UFS, é um museu localizado na cidade de Aracaju, capital de Sergipe.

Trata-se de um museu simples, pequeno, mas de extrema importância para entender a ocupação do território brasileiro, os ancestrais, os índios e a convivência nordestina entre os engenhos do litoral com a criação de gado no interior.
 
Reino de Clio convida você, seus amigos e seus alunos a conhecer o MUHSE - Museu do Homem Sergipano, fazendo a visita virtual clicando aqui. E, quando puder, visite pessoalmente. Você jamais vai esquecer!
 
Continua...


BASTIDORES DA II GUERRA - III

ROOSEVELT x CHURCHIL1
A grande maioria dos livros didáticos de História abordam a II Guerra Mundial, assim como toda a História, de forma tão superficial que poderíamos dizer “passageira”. Explica seus motivos, suas fases, desfecho e consequências. Seria difícil fazer diferente, de modo que não é exatamente uma crítica.
A maior parte dos estudiosos que se debruçaram sobre o tema de forma aprofundada, ficam restritos à vasta documentação pública, civil e militar, e gravitando em torno dos grandes nomes: Hitler, Mussolini, Tojo, Stalin, De Gaulle, Roosevelt e Churchill. Certamente não há como fugir destes, pois seus feitos gigantescos fizeram com que figurassem no panteão da História, para o bem ou para o mal. Mas não raras vezes há um quê maniqueísta.
Daí a importância que dedicamos a esta obra de Lynne Olson, “Churchill e Três Americanos em Londres”. Os gigantes estão lá presentes, um deles no título, pois do contrário não passaria nem pelos editores, mas o foco não é Churchill, e sim os três americanos, e vários outros ao seu redor, que passam quase inominados pelos livros (não por este), mas que foram fundamentais na História.
O mais surpreendente, porém, é que ao focar personagens secundários, Lynne Olson desnuda os gigantes de uma forma tão impressionante que os arrasta ao nível do ser humano comum. Vejamos se o leitor concorda com essa visão...
Quem lê a maioria dos livros sobre o período forma a imagem de que os EUA demoraram a entrar na guerra, mas, enquanto isso, ajudaram a Inglaterra de todas as formas que poderiam, menos nos combates. E que, após Pearl Harbour, os EUA entraram de cabeça, aliaram-se aos ingleses em uma amizade que os levou até a Alemanha. Sim, em resumo de linhas bem gerais, foi isso mesmo. Mas a realidade que Lynne Olson nos revela é bem mais complexa.
ROOSEVELT PEDE APROVAÇÃO PARA DECLARAÇÃO DE GUERRA CONTRA O EIXO
De início, os dois povos só tinham em comum a língua inglesa, mas nenhuma compreensão cultural mútua, pelo contrário, nutriam preconceitos e cultivavam estereótipos arraigados entre si.

...seus líderes políticos e militares, de Churchill e Roosevelt para baixo, tinham pouquíssimo entendimento e conhecimento uns dos outros. Ignorantes a respeito da história e da cultura do futuro parceiro, os dois aliados tendiam a pensar em estereótipos quanto aos seus primos de além-mar, com escassa avaliação de suas respectivas dificuldades políticas e militares. Suspeitas, tensões, preconceitos e rivalidades ameaçaram descarrilar a nova e singular confederação antes mesmo que ela se firmasse. E os problemas foram exacerbados pela atitude condescendente inglesa em relação aos americanos e pelo ressentimento dos EUA com a Inglaterra.(pg. 15)

Diante do colapso que se aproximava, toda a comunicação, gestos e oratória de Churchill em direção aos EUA era um incessante cortejar ao Presidente Roosevelt. Este, em seus discursos, prometia tudo, menos entrar na guerra. Falava em urgência, mas a prática ficava distante disso. Surpreendente, porém, é perceber que os EUA “ajudaram” Hitler na tarefa de sangrar a Inglaterra ainda mais.

Em troca de cinquenta contratorpedeiros americanos bastante velhos, cedidos no verão de 1940, o governo Roosevelt exigiu que lhe fosse concedido o arrendamento por noventa e nove anos de bases militares na Terra Nova, nas Bermudas e em seis possessões inglesas no Caribe. A negociação, como todos sabiam, era bem mais vantajosa para os Estados Unidos do que para a Inglaterra, e o governo britânico ficou profundamente ressentido. Apesar disso, não teve alternativa e aceitou aquilo que considerou termos grosseiramente injustos.
[…]
Os ingleses sentiram-se ainda mais lesados quando os contratorpedeiros da Primeira Guerra Mundial chegaram. Dilapidados e obsoletos, eles não podiam ser empregados sem extensas e custosas reparações.

Quando a lei que proibia a exportação para nações em guerra foi modificada para autorizar a venda à Inglaterra, foi exigido pagamento à vista, em dólares, ficando o transporte por conta do comprador! O ouro inglês praticamente acabou, foi pedido empréstimo à Bélgica e a situação ficou tão crítica que “...o ministro das Finanças sugeriu ao Gabinete que considerasse a requisição de anéis de casamentos e outras joias daquele metal precioso da população inglesa.”
O primeiro encontro de Roosevelt com Churchill ocorreu em 29/07/1918, ao final da Primeira Guerra Mundial, quando Roosevelt tinha 36 anos e Churchill 43. O americano guardou profundas recordações daquele dia. O inglês nenhuma. Roosevelt sentiu-se esnobado e Lynne Olson sugere que guardou ressentimentos por mais de 20 anos!

FDR ainda não tinha engolido o que considerava uma descortesia de Churchill. “Sempre desgostei dele, desde o tempo em que fui à Inglaterra em 1918,” disse o Presidente a Joseph Kennedy, em 1939. “Ele agiu como um pedante no jantar a que compareci, comportando-se como um lord, acima de todos nós.” (pg. 22)

ROOSEVELT ASSINA O LEND-LEASE
CHURCHILL, AO LADO DE GILBERT WINANT, ASSINA O ACORDO LEND-LEASE
Quando o programa Lend-Lease foi anunciado, Churchill percebeu que a Inglaterra seria ainda mais sangrada. E tornou-se realmente constrangedora a situação, considerando a importância que Roosevelt deu inicialmente ao programa, quando nomeou Averell Harriman para fazê-lo funcionar:

Senhor Presidente,” indagou um dos jornalistas, “qual a relação de Mr Harriman com a embaixada de lá? Ele representará diretamente o senhor?” Com um pigarro, Roosevelt replicou: “Não sei e não dou a mínima!” Quando outro repórter perguntou a quem Harriman se reportaria em Washington, o Presidente retrucou: “Não sei e não me interessa isso.” (pg. 55)

No decorrer da guerra, enquanto comandantes americanos e ingleses se digladiavam em teorias e planejamentos, cada um deles querendo para si e aos seus as glórias militares, sempre contidos pela determinação de Eisenhower em fazer as relações aliadas funcionarem, Roosevelt começava a impor cada vez mais seus pontos de vista e interesses, dando demonstrações de que considerava a Inglaterra como parte menos importante da aliança:
 
Quando a Inglaterra se opôs a uma proposta de se conceder acesso às companhias aéreas dos EUA a todas as rotas aéreas do mundo, Roosevelt enviou um telegrama a Winant, em novembro de 1944, a ser repassado a Churchill, dando a entender que os Estados Unidos poderiam interromper o auxílio do Lend-Lease caso os ingleses não aprovassem o plano. A mensagem era, na opinião de John Colville, “chantagem pura.” (pg. 253)

E, quando reunidos em Yalta, Roosevelt e Stalin pareceram formar aliança contra todos os pontos de vista de Churchill, chegando mesmo à descortesia pura e simples com o idoso Primeiro Ministro inglês:

Numa das sessões plenárias, Roosevelt e Stalin começaram a confabular antes da chegada de Churchill. Informado por um auxiliar que o primeiro-ministro aguardava do lado de fora, a resposta de FDR foi abrupta: “Ele que espere.”(pg. 256)
ACIMA: ENCONTRO DE TEERÃ. ABAIXO, ENCONTRO DE YALTA.
A postura de Roosevelt permitiu que Stalin tivesse terreno livre para avançar sobre a Polônia e saísse do conflito como a segunda maior potência militar do planeta. Churchill anteviu todos esses riscos, assim como Averell Harriman, agora embaixador americano em Moscou, e Gilbert Winant, embaixador em Londres. E todos os alertas não foram suficientes para que Roosevelt agisse com mais dureza nas negociações com Stalin:

Roosevelt, dando toda a impressão de que não se preocupava em deixar a União Soviética como potência militar e política dominante no continente europeu, ainda piorou as coisas, na opinião de Churchill, ao dizer a Stalin em Yalta que planejava retirar as tropas americanas da Europa, inclusive da Alemanha, em dois anos. (pg. 256)

WINSTON CHURCHILL. ABAIXO O PRIMEIRO MINISTRO COM A FAMÍLIA REAL.
Churchill, por seu turno, lutava contra os planos de dominação nazista na Europa, mas não queria sequer discutir a perda de partes do Império Britânico, pois segundo ele “não se tornara primeiro-ministro do Rei para presidir à liquidação do Império Britânico.” (pg. 221). Era contra o aumento de autonomia da Índia e resistiu a todas as tentativas de cessão de territórios ou de monopólios comerciais que mantinha com as demais regiões do império, no que era arduamente combatido por Roosevelt:

Temos de deixar patente aos ingleses, desde o início, que não seremos simplesmente o amigão que pode ser usado para tirar o Império Britânico de um aperto. (...) Creio que falo como presidente dos Estados Unidos quando digo que nosso país não ajudará a Inglaterra nessa guerra só para que ela continue capaz de tratar com desprezo povos coloniais.” (pg. 221)

O leitor deve estar atento ao fato de que os EUA queriam, eles mesmos, adentrar estes mercados. Quando políticos e militares americanos falam em liberdade, não é exatamente às pessoas comuns que se referem, mas, prioritariamente, aos negócios.
Por fim, o suposto e bem provável conhecimento de Churchill sobre o caso extra-conjugal de sua nora Pamela com Averell Harriman e depois com Edward Murrow, e de sua filha Sarah com o já casado Gilbert Winant, sem que se apresente um único registro de reprovação, não falam exatamente bem de um rematado conservador inglês, pelo que se depreende do relato de Lynne Olson.

Quando Randolph Churchill voltou à Inglaterra de licença e descobriu o caso, explodiu de raiva. Sua ira não derivava tanto do ciúme, disseram alguns amigos, mas de um sentimento de que havia sido traído por Harriman, com o qual criara até certa amizade quando, a pedido de seu pai, o acompanhara na missão no Cairo. Amargo, Randolph acusou os pais de cumplicidade com o adultério “debaixo do próprio teto deles,” em Chequers, e de só o fazerem por causa da importância de Harriman e dos americanos para a Inglaterra. (pg.181)

AVERELL HARRIMAN - GILBERT WINANT - EDWARD MURROW
PAMELA CHURCHILL - RANDOLPH CHURCHILL - SARAH CHURCHILL
A deliciosa obra de Lynne Olson nos transporta aos bastidores aliados da II Guerra Mundial e o que “vemos e ouvimos” por trás das portas é surpreendente e, por vezes, chocante.
Hitler previra que a aliança entre americanos, ingleses e soviéticos desmoronaria por conta das diferenças intransponíveis entre eles. Constatar que ele quase acertou é assombroso. Perceber os comportamentos indefensáveis de nomes gigantes como Roosevelt e Churchill, Montgomery e Patton, que ressaltam a importância de nomes bem menos conhecidos como Harriman, Murrow e Winant, é algo que não se espera, embora não seja aceitável deixar de conceder humanidade (virtudes e defeitos) a esses homens que escreveram a História.
Bem pensado, contudo, essas imperfeições humanas fazem com que os papéis desempenhados por Roosevelt e Churchill sejam, a despeito de tudo, talvez até maiores. A conclusão é que, se mesmo com todos esses defeitos, realizaram tais feitos extraordinários, bem fizeram por merecer o título de Gigantes da História.

FIM

Imagens:
http://en.wikipedia.org/wiki/W._Averell_Harriman
http://www.concordhistoricalsociety.org/john-gilbert-winant/
http://www.dvdtalk.com/reviews/24807/edward-r-murrow-the-best-of-person-to-person/
http://www.npg.org.uk/collections/search/portrait/mw165546/Sarah-Churchill
http://www.smh.com.au/articles/2007/06/20/1182019179355.html
http://www.npgprints.com/image/43999/bassano-ltd-randolph-frederick-edward-spencer-churchill
http://www.express.co.uk/news/uk/437795/Winston-Churchill-s-specially-trained-resistance-fighters-were-prepared-for-Nazi-invasion
https://fdrlibrary.wordpress.com/tag/winston-churchill/
http://dingeengoete.blogspot.com.br/2012/07/this-day-in-history-jul-26-1945-winston_2785.html

1Este artigo tem como fonte a obra de Lynne Olson, “Churchill e Três Americanos em Londres”, da Globo Livros (SP, 2013), Tradução de Joubert de Oliveira Brízida.