Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

ESPECIAL 1

Estátua de Leopoldina à frente da Quinta da Boa Vista
A tudo Leopoldina suportava mantendo a dignidade de Imperatriz que era. Mas, quando D. Pedro passou a viver na casa de Domitila, isso representou a gota d'água para a soberana, que escreveu-lhe solicitando que escolhesse em qual casa desejava viver ou permitisse sua volta à Áustria. Quando D. Pedro voltou, ocorreu uma violenta discussão.
Em 20/11/1826 a Imperatriz recusou-se a comparecer ao beija-mão de despedida do Imperador, que estava de partida para o Sul. Este, revoltado, teria tentado forçá-la e comparecer. Alguns acreditam no uso da força física, mas não há registros disso. O fato é que o estado de saúde da Imperatriz, que já era delicado, agravou-se.
Entre 01 e 02/12/1826 Leopoldina sofreu um aborto e seu estado de saúde só decaiu. Para piorar, Domitila de Castro, que tinha acesso ao quarto, impunha sua presença ao lado do leito onde a Imperatriz agonizava e fez isso de tal forma que precisou ser expulsa por amigos fiéis da soberana.
Em 11/12/1826 Leopoldina faleceu em seu quarto, na Quinta da Boa Vista. A notícia consternou o país e abalou de maneira irremediável o prestígio do Imperador. 
Laurentino Gomes (1822) afirma que "O povo saiu às ruas em prantos. Escravos se lamentavam aos gritos [...] A casa da marquesa de Santos, apontada como culpada pelo sofrimento da imperatriz, foi apedrejada.
Se me permitem um comentário pessoal, mesmo tentando não fazer um julgamento do homem Pedro, que ademais não nos cabe, é muito difícil fazer a leitura da obra que acabamos de resumir sem sentir o sangue ferver por uma grande ferida em nosso senso de hombridade, de honra, em nosso sentido cavalheiresco.
O que foi feito contra a Imperatriz Leopoldina, por aquele que mais deveria protegê-la e respeitá-la, não se faz com mulher nenhuma, ainda mais com uma do comportamento moral irretocável da soberana.
A morte, apesar de tudo, veio por fim a uma vida de sofrimentos. Seu legado, porém, permanece. À guisa de prece, e resgatando outra soberana subestimada da História, em gratidão à Imperatriz Leopoldina por tamanha herança e sacrifício, lembramos das Palavras de Jesus:
A rainha do Sul se levantará no Juízo com esta geração e a condenará, pois ela veio dos confins da terra para conhecer os sábios ensinamentos de Salomão. E eis que aqui está quem é maior do que Salomão.” (Mateus 12:42)
Leopoldina foi muito maior que Pedro...
FIM

1Marsilio Cassotti. A biografia íntima de Leopoldina: a imperatriz que conseguiu a independência do Brasil. São Paulo: Planeta, 2015
2Carlota Joaquina espalhara um boato de que o marido sofria de doença mental e tentara tomar o poder com apoio de alguns fidalgos portugueses.
3À época ser despido não significava ficar completamente nu. D. Pedro deve ter ficado de camisa e ceroulas, enquanto Leopoldina deve ter ficado de camisolão.


4GOMES, Laurentino. 1822: como um homem sábio, uma princesa triste e um escocês louco por dinheiro ajudaram D. Pedro a criar o Brasil, um país que tinha tudo para dar errado. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário