Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

ESPECIAL 1

PRINCESA ISABEL DO BRASIL

Nos últimos tempos o Reino de Clio vem, com suas séries, tentando sempre manter um foco na prestação de homenagens a mulheres que tiveram participação importante na História do Brasil.
E são muitas as mulheres que, em meio a um ambiente sempre machista, conseguiram a duras penas gravar seus nomes no eterno processo de construção da nossa sociedade.
Essa quantidade impossibilita que todas sejam homenageadas, de modo que vamos nos focando naquelas que atingiram maior notoriedade.
Hoje iniciamos uma nova mini-série, desta feita dedicada à Princesa Isabel. O texto é uma mescla entre pesquisa feita para um seminário da UFS, realizado junto com os amigos Carla Oliveira, Rafael Rocha e Gérson Alves e novo material.
Especificamente falando, utilizamos material produzido pela Profª. Carla Oliveira no qual introduzimos mais conteúdo, o que resultou na obra que segue, portanto uma co-autoria.
Como sempre, nosso intento é contar uma boa História e esperamos que seja tão bom ler, quanto foi pesquisar e escrever.
Todas as informações desta série são oriundas da obra” Princesa Isabel do Brasil: Gênero e Poder no século XIX”[1] de Roderick J. Barman, a não ser quando expressamente informado.
Vamos, pois, à Princesa Isabel, porque o Ministério do Reino de Clio é cheio de mulheres!
D. Isabel foi a terceira mulher a ocupar uma posição que poderíamos qualificar como chefe de estado do Brasil, única delas brasileira (a primeira foi a rainha portuguesa Maria I, a segunda a austríaca D. Leopoldina) e foi também nossa primeira senadora.
Com a morte prematura dos dois irmãos, ela tornou-se, aos 04 anos de idade, a primeira na linha de sucessão do trono, prestando juramento aos 14 anos de idade, de acordo com a Constituição.



[1]  BARMAN, Roderick J. Princesa Isabel do Brasil: Gênero e Poder no século XIX. Tradução de Luis Antônio Oliveira Araújo. São Paulo: UNESP, 2005.


https://www.youtube.com/watch?v=jAe4URXORzk

Roderick J. Barman revela que os historiadores não se ocupam muito da figura de D. Isabel. Quando geralmente o fazem é por dois motivos: por sancionar a Lei do Ventre Livre em 1871, e por assegurar o fim da escravidão, sancionando a Lei Áurea de 1888.
Porém, a princesa Isabel foi a herdeira do trono do Brasil durante quase quarenta anos, de 1851 a 1889, e nesse período a participação dela não foi tão limitada como se está acostumado a crer. É sobre a vida dela que o autor irá escrever.
Fazendo uma análise do contexto histórico em que viveu D. Isabel, o autor coloca que ainda no século XIX, assim como nos anteriores, as mulheres eram educadas para exercerem as típicas funções de filhas, esposas e mães, mas nenhuma delas em diferentes países eram preparadas para a função de governante do Estado. Logo, com a Princesa Isabel não foi diferente.
À mulher era negado o direito de formação política. E para dar um exemplo, Barman menciona as únicas mulheres que são citadas na História do Brasil: Imperatriz Leopoldina, Maria Quitéria e Joana Angélica.

A política, freqüentemente definida em termos de poder, ou seja, de “quem tem o que, quando e como”, ocupava-se do acesso e do controle dos recursos materiais e humanos. Era vista como parte da esfera pública, na qual as mulheres não tinham lugar. (p. 20)

CONTINUA

Nenhum comentário:

Postar um comentário