Total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

MANDELA LIVRE!

MANDELA LIVRE!
Na metade final dos anos 80 a África do Sul era pressionada por todos os lados e em todo o mundo pelo fim do Apartheid e a libertação de Nelson Mandela.
No front interno do combate ao regime racista a luta se intensificou. Em 1985 foi iniciada uma campanha para prejudicar a governabilidade do país.
O CNA aumentou o número de atentados e os confrontos se espalharam pelos subúrbios.

Mais de 700 mortes foram registradas.
http://buzzsouthafrica.com/ugly-and-less-known-facts-you-wont-believe-about-nelson-mandela/
Naquele ano, após uma cirurgia na próstata, Mandela foi isolado de seus companheiros e passou a negociar sozinho com o governo um fim para os conflitos, o que causou desconfiança entre seus próprios seguidores.
As propostas do governo de que receberia a liberdade em troca de reconhecimento ao regime foram recusadas por Mandela que, com isso, colocou o Presidente Pieter Willem Botha em xeque.
Em 1988 Mandela sofreu de tuberculose e foi transferido para a Prisão de Victor Verster, onde não ficava em uma sela, mas em um bangalô com piscina e cozinheiro exclusivo. 
O regime temia que ele morresse de doença e que não houvesse mais ninguém com quem pudesse negociar e evitar a guerra civil.
As negociações avançaram e, em 05/07/1989, o Presidente Pieter Botha se encontrou com Nelson Mandela para preparar sua libertação. 
Mas foi o seu sucessor na liderança do Partido Nacional, Frederick de Klerk quem, no dia 02/02/1990 anunciou no Parlamento as primeiras medidas para pôr fim ao sistema de Apartheid.  
De Klerk e Mandela em Davos - 1992
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Frederik_de_Klerk_with_Nelson_Mandela
_-_World_Economic_Forum_Annual_Meeting_Davos_1992.jpg

Nove dias depois, em 11/02/1990, Nelson Mandela foi libertado da prisão e recepcionado por uma multidão do lado de fora.  
O CNA juntou-se ao NP, partido de De Klerk, para formar um governo de unidade nacional. A aliança possibilitou o primeiro governo multirracial do país, que promoveu reformas para criar uma nação onde todas as raças pudessem conviver em igualdade de direitos. 

Este texto é parte de uma série, para ler a série completa clique aqui e na bandeira da África do Sul na página que abrir.
Para assistir nossos documentários na página Caminhos da História, clique aqui.
Para ler outras mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para acompanhar nossa série sobre o Egito Antigo, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.
Conheça e curta nossa página no Facebook, clicando aqui.



sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

CHURCHILL - Parte 16


CHURCHILL – Parte XVI [1] [2]
Em 29/05/1921 Lady Randolph, mãe de Churchill, caiu de uma escada e teve que amputar a perna por conta de uma gangrena. Ela faleceu em 09/06/1921 aos 67 anos. Winston escreveu que sentia a perda, mas não de forma trágica, pois sua mãe tivera “...uma vida repleta. O vinho da vida corria em suas veias. Mágoas e tempestades eram conquistadas por sua natureza e, no fim das contas, foi uma vida cheia de luz.” (pg. 478)
Alguns dias depois do funeral, em discurso na Conferência Imperial, Churchill alertou para a necessidade de promover a reconciliação entre a França e a Alemanha, sob o risco de ocorrer “em pouco mais que uma geração, um recrudescer da luta que terminara havia tão pouco tempo”. (pg. 478)
Em 23/08/1921 Churchill sofreu a segunda perda pessoal naquele ano. Sua filha mais nova, Marigold, faleceu vítima de meningite. Winston escreveu de sua devastadora tristeza por “essa pequena vida se extinguir quando parecia vir a ser tão bela e tão feliz, exatamente quando tudo estava começando”. (pg. 479)
No restante daquele ano trágico, Churchill se dedicou a costurar um acordo sobre a autonomia da Irlanda que resultou no Tratado Anglo-Irlandês.[3] Depois foi nomeado para presidir a Comissão Ministerial de Orçamento de Defesa onde deveria promover cortes de despesas que atendessem aos críticos dos gastos sem prejudicar as forças armadas. (PG. 480-483)




[1]    GILBERT, Martin. Churchill : uma vida, volume 1. tradução de Vernáculo Gabinete de tradução. – Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2016.

[2]    Em relação às referências das páginas, que fazemos ao final de alguns parágrafos, por uma questão estética e de não ficar sempre repetindo, criamos um código simples com o símbolo “<”. Sua quantidade antes da referência da página indica a quantos parágrafos anteriores elas se relacionam. Exemplo: A referência a seguir se refere ao parágrafo que ela finaliza e mais os dois anteriores  (<<pg.200-202).

[3]   O Tratado Anglo-Irlandês foi um acordo firmado entre a Irlanda e o Reino Unido com o objetivo de dividir territórios no então Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda. Estabelecido em 1921, instituiu o Estado Livre Irlandês e separou a Irlanda do Norte da República Irlandesa.    
     https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_Anglo-Irland%C3%AAs
Na Irlanda os extremistas não aceitaram o acordo e a violência recomeçou, apesar da produtiva conversa (promovida por Churchill) em que os líderes irlandeses adversários Sir James Craig [1] e Michael Collins [2] terem chegado a entendimento, bem como da aprovação do Tratado e da Lei do Estado Livre Irlandês por parte do parlamento britânico. A facção republicana liderada por Eamon de Valera [3] iniciou ações violentas que acabaram em uma guerra civil que foi vencida pelo governo.[4] (pg. 484-491)




[1]   James Craig, 1º Visconde Craigavon, (08/01/1871 - 24/11/1940), foi um proeminente político unionista irlandês, líder do Partido Unionista do Ulster e primeiro Primeiro Ministro da Irlanda do Norte. Ele foi criado um baronete em 1918 e elevado ao Pariato em 1927.  
     https://en.wikipedia.org/wiki/James_Craig,_1st_Viscount_Craigavon

[2]   Michael John "Mick" Collins (Cloich na Coillte, 16/10/1890 — Béal na mBláth, 22/08/1922) foi um líder revolucionário irlandês, que agiu como Ministro das Finanças da República Irlandesa, Director dos Serviços Secretos do Exército Republicano Irlandês (IRA) e membro da delegação irlandesa que negociou o Tratado anglo-irlandês, tendo sido também Presidente do Governo Provisório da Irlanda do Sul e Comandante-Chefe do Exército Nacional. Foi uma das figuras centrais da luta irlandesa por independência no começo do século XX.  
     https://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Collins_(Irish_leader)

[3]   Éamon de Valera (nascido Edward George de Valera; Nova York, 14/10/1882 - Dublin, 29/08/1975) foi uma das figuras políticas dominantes do século XX, na Irlanda. Entre 1917 e 1973, ocupou vários cargos públicos proeminentes, servindo várias vezes como Chefe de Estado e governo. De Valera foi um dos líderes na luta contra o Reino Unido pela independência da Irlanda e um dos responsáveis pela criação da atual Constituição da Irlanda. Mais tarde, ele também liderou a facção anti-tratado do movimento republicano irlandês durante a violenta guerra civil de 1922–1923. 
     https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%89amon_de_Valera

[4]   A Guerra Civil Irlandesa (28/06/1922 — 24/05/1923) foi um conflito que acompanhou a criação do Estado Livre Irlandês como uma entidade independente do Reino Unido dentro do Império Britânico. O conflito foi travado entre dois grupos opostos de nacionalistas irlandeses: as forças do novo governo do Estado Livre, apoiantes do Tratado anglo-irlandês, e os republicanos, para quem o Tratado representava uma traição da República da Irlanda. A guerra foi ganha pelas forças governistas. Segundo historiadores, a guerra civil na Irlanda pode ter levado mais vidas do que a guerra da independência contra a Grã-Bretanha, que a precedeu, e deixou a sociedade irlandesa dividida e ressentida nas décadas seguintes. Atualmente, os dois principais partidos políticos da República Irlandesa, a Fianna Fáil e a Fine Gael, são os descendentes diretos dos lados opostos desta guerra. 
     https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_Civil_Irlandesa
Sir James Craig - Michael Collins - Eamon de Valera
Quase ao mesmo tempo, Churchill passou a trabalhar por conferir os estatutos legais para garantir a permanência dos judeus na Palestina. Em 15/09/1922, pouco mais de um ano após a morte da pequena Maringold, Clementine deu a luz a Mary Spencer-Churchill, a última filha do casal. (pg. 489-491)
Durante este período, uma crise militar entre a Grécia e a Turquia fez com que os olhos de Churchill se voltassem novamente para o Estreito de Dardanelos. Winston era francamente favorável a fazer as pazes com a Turquia, mas Lloyd George apoiava entusiasticamente os gregos quando, no início do conflito eles avançavam na Ásia Menor.
Mas em Setembro a situação já tinha se invertido quando o avanço turco retomou a região. Churchill defendia que as tropas britânicas (sediadas em Chanak e em franca desvantagem) também se retirassem da Ásia Menor, concentrando-se para defesa de Galípoli, o que o Primeiro-Ministro não aceitava.  (<pg. 467-468 / 473 / 478 / 491-495)

Afinal a guerra não aconteceu pois um acordo foi costurado. A despeito disso os conservadores, liderados por Bonar Law, decidiram se retirar do governo de coalização, levando à queda de Lloyd George e de seu gabinete. Neste episódio, no qual perdeu o emprego, Churchill não pode atuar pois teve uma crise de apendicite e precisou ser operado declarando, depois, que “Num piscar de olhos, encontrei-me sem ministérios, sem lugar no Parlamento, sem partido e sem apêndice”. (pg. 493-495)
Lloyd George - Bonar Law
Em 23 de outubro de 1922 Bonar Law assumiu como Primeiro-Ministro e logo dissolveu o Parlamento, convocando eleições. Em Dundee (Escócia), o distrito pelo qual Churchill disputava a eleição, os Conservadores não lançaram candidato, mas a facção Liberal correligionária de Asquith o fez. Outro candidato liberal foi lançado (E.D. Morei), bem como um independente (Edwin Scrymgeour) ligado aos trabalhistas.
Recém operado, Winston não podia viajar para fazer campanha, de modo que a sempre atuante Clementine fazia discursos em seu lugar, mas a popularidade dos Churchill estava em queda. Clementine escreveu ao marido relatando a vilania da imprensa e a forma como ela o apresentava:
Acho que aquilo de que as pessoas mais gostam é a solução da questão irlandesa, de modo que trouxe isso à tona, bem como sua parte em ser dado governo próprio aos bôeres. A ideia contra você parece ser que é um “fazedor de guerra”, mas eu o exibo como um querubim pacificador, com asinhas de plumas ao redor de seu rosto rechonchudo. (<<pg. 496)
O resultado das urnas revelou a vitória de  Scrymgeour e Morei. Churchill ficou apenas na quarta colocação. Após a derrota ele recebeu várias manifestações de amigos lastimando a decisão do povo de Dundee. Lawrence da Arábia escreveu “Que merdas devem ser as pessoas de Dundee”.

A um outro amigo, porém, Churchill respondeu “Se visse o tipo de vida que as pessoas de Dundee levam, você admitiria que elas têm muitas razões.” (<pg. 498)
Um dos quadros pintador por Churchill
A vitória dos Conservadores foi arrasadora. Conseguiram 354 cadeiras no Parlamento, os trabalhistas ficaram com 142, os liberais de Lloyd George 62, os liberais de Asquith 54. Churchill estava bastante desanimado e viajou com a família para férias de seis meses na França, para descansar, pintar e escrever os volumes da obra A Crise Mundial. (pg. 498)
No segundo volume desta obra Churchill apresentou muitos documentos sobre sua verdadeira parcela de participação na campanha de Galípoli.

CONTINUA