Total de visualizações de página

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A VITORIA CRISTÃ EM ROMA



COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA - I
Nesta nova minissérie que iniciamos, vamos recontar, mui resumidamente como sempre, como o cristianismo deixou de ser a religião dos oprimidos para se tornar a fé dos outrora opressores no Império Romano.
O período em questão foi, paradoxalmente, um dos momentos de maior perseguição aos cristãos.
E, também de forma paradoxal, foi um dos maiores algozes da cristandade quem tomou medidas que acabaram por possibilitar a ascensão, ao trono, daquele que viria a libertar os cristãos da perseguição.
Primeiro, nos referimos a Diocleciano, o grande perseguidor. Depois, a Constantino, o libertador. Convém, portanto, ir por partes pois, na escrita da História, os primeiros não são estudados por último! Quem foi Diocleciano?
Quando o Império Romano se tornou cristão, passando a venerar o Deus Único, essa não era a primeira experiência monoteísta que vivenciava.


Para Ivar Lissner, em sua obra “Os Césares”1, foi uma espécie de monoteísmo o que ocorreu após a vitória do Imperador Aureliano sobre a Rainha Septímia Zenóbia, de Palmira na atual Síria (cujas ruínas foram atacadas pelo Estado Islâmico).
Septimia Zenóbia perante Aureliano
O autor afirma que a devoção de Aureliano pelo deus Sol Invicto, colocou esta divindade acima de todas as demais: “Esse culto do Sol, por Aureliano venerado, exaltando um deus único, demonstra a evolução, bastante surpreendente da inteligência antiga.” (pg. 448).
Após a morte de Aureliano, porém, assassinado após um ardil tramado por seu secretário, a instabilidade reinou no império até a ascensão de Diocleciano em 17/11/284 d.C., quando foi proclamado pelos soldados em Nicomédia. Ele foi o último imperador resolutamente pagão.
O novo imperador é descrito por Lissner como um homem mais voltado ao cotidiano e seus conflitos do que aos grandes feitos. Como consequência, o novo imperador foi um organizador tão competente que permitiu ao Império Romano ganhar uma sobrevida.
Continua...
1 LISSNER, Ivar. Os Césares – Apogeu e Loucura: Tradução de Oscar Mendes. Belo Horizonte: Itatiaia, 1964.


COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA - II
O status de Roma como capital estava, à época, abalado, considerando que vários imperadores pouco permaneciam na cidade, diante da necessidade de suas presenças em diferentes pontos de crise do império.
Segundo Lissner2, Diocleciano, por exemplo, manteve sua corte em Nicomédia e seus antecessores mais próximos, de reinados muito curtos, nem chegaram a pisar em Roma enquanto imperadores. Foram nomeados e mortos fora da capital:
Roma, a cidade caprichosa, mimada, cruel, empanturrada de triunfos, a cidade das arenas, dos teatros e das termas grandiosas, entrava na sombra. (pg. 453)
Neste período, o título “César” já não se aplicava ao Imperador propriamente, que utilizava o título de Dominus (Senhor), acompanhado de Augustus.
Lissner informa que, em 285 d.C., Diocleciano nomeou Maximiniano como César, encarregando-o de governar a Gália e, no mesmo ano, concedeu-lhe o título de Augustus, fazendo-o Co-Imperador. (pg. 452)
O Império Romano tornava-se, novamente, uma diarquia, experiência que não era nova. E a parceria deu excelentes resultados, como a vitória sobre os “... burgúndios, os alemães, os francos, os sármatas, os godos e os árabes.”(pg. 453)
Apesar disso, Diocleciano percebeu que seria preciso descentralizar ainda mais o governo e nomeou dois Césares, um para cada Augusto. Na prática, cada imperador ganhava um auxiliar de luxo.

Os nomeados foram Galério, César de Diocleciano, enviado à Gália, e Constâncio Cloro, César de Maximiniano, enviado ao Sul do Danúbio.
Diocleciano - Maximiniano - Galério - Constâncio Cloro
Nesse novo arranjo, cada Augusto adotou seu César como filho, tornando-os sucessores. Para tal estes foram obrigados ao divórcio e ao casamento com as filhas dos imperadores.
Também foi fixado um prazo de vinte anos para que os Augustos pudessem renunciar em favor dos Césares. O trabalho tornou-se bem mais organizado e rendeu excelentes frutos. O império respirava novamente.
2 LISSNER, Ivar, Os Césares - Apogeu e Loucura: Trad. de Oscar Mendes. Belo Horizonte: Itatiaia, 1964.
COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – III
A reorganização de Diocleciano tirou o império da UTI.
Por outro lado, a reorganização do exército, a criação de uma força reserva e as obras públicas das quatro novas capitais, onde residiam os tetrarcas, e na própria Roma, demandavam enormes somas de dinheiro, que devia vir das províncias.
A descentralização do poder levou a uma imensa pressão burocrática e arrecadatória sobre os funcionários públicos e a população de uma forma geral, com exceção dos moradores de Roma, que eram isentos de impostos.
Para piorar, a medida de fixar preços e salários por todo o império, que na prática era um congelamento, só gerou inflação e retração da atividade comercial.
E a História Contemporânea mostra que, em momentos de grave crise econômica, a população, sempre bem orientada pelos aproveitadores, tende a buscar culpados sobre quem descarregar as frustrações.
E quem eram os bodes expiatórios perfeitos para as mazelas de Roma?Os Cristãos, é claro!
Além da decadência econômica, os últimos anos de Diocleciano à frente do império foram de perseguição aos seguidores de Cristo.


Os cristãos estavam, novamente, na mira do Império Romano.
Diferente dos ciclos persecutórios anteriores porém, desta vez a infiltração cristã no aparelho estatal romano era muito maior. Lissner3 afirma que “...o próprio palácio imperial estava “minado” pelo ideal cristão.”(pg. 461).
O ataque romano, que foi iniciado com demissões de funcionários cristãos que não abjuraram sua fé, logo descambou para a demolição de igrejas. E o erguimento de fogueiras para assar pessoas.
Mas, também diferente dos períodos anteriores, essa perseguição aos cristãos gerou reações. O próprio palácio do Imperador foi incendiado duas vezes, com a autoria atribuída aos cristãos, embora Lissner informe que o César Galério teria sido o autor dos incêndios para instigar ainda mais a caça aos seguidores do cristianismo.(pg.462)
A perseguição se intensificou mas, a despeito disso, a fé cristã cresceu, assim como as demonstrações de total desprendimento dos fiéis, que preferiam a morte à renúncia de sua crença.


Segundo Lissner, a própria esposa de Diocleciano, Prisca, e sua filha Valéria, “...convencidas da pureza e da veracidade das ideias cristãs, tinham-se secretamente convertido.”(pg. 463)
Prisca - Valéria
Logo, porém, funcionários do palácio, dos mais altos aos menores, bispos e outros cristãos estavam sendo cruelmente torturados e mortos.
Mas, se por um lado foi liberado o pior instinto, por outro também surgiu a piedade em muitos romanos. Lissner cita casos em que os cristãos foram auxiliados ou que as ordens de conversão forçada e morte eram cumpridas apenas em parte.(pg. 463)
Neste caso, os dois césares estavam em campos opostos. Galério era um perseguidor implacável, enquanto Constâncio evitava qualquer execução de cristãos sempre que possível.
Aproximava-se o momento em que o poder seria dividido entre ambos.


COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – III
A reorganização de Diocleciano tirou o império da UTI.
Por outro lado, a reorganização do exército, a criação de uma força reserva e as obras públicas das quatro novas capitais, onde residiam os tetrarcas, e na própria Roma, demandavam enormes somas de dinheiro, que devia vir das províncias.
A descentralização do poder levou a uma imensa pressão burocrática e arrecadatória sobre os funcionários públicos e a população de uma forma geral, com exceção dos moradores de Roma, que eram isentos de impostos.
Para piorar, a medida de fixar preços e salários por todo o império, que na prática era um congelamento, só gerou inflação e retração da atividade comercial.
E a História Contemporânea mostra que, em momentos de grave crise econômica, a população, sempre bem orientada pelos aproveitadores, tende a buscar culpados sobre quem descarregar as frustrações.
E quem eram os bodes expiatórios perfeitos para as mazelas de Roma?Os Cristãos, é claro!
Além da decadência econômica, os últimos anos de Diocleciano à frente do império foram de perseguição aos seguidores de Cristo.

COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – IV
Os cristãos estavam, novamente, na mira do Império Romano.
Diferente dos ciclos persecutórios anteriores porém, desta vez a infiltração cristã no aparelho estatal romano era muito maior. Lissner3 afirma que “...o próprio palácio imperial estava “minado” pelo ideal cristão.”(pg. 461).
O ataque romano, que foi iniciado com demissões de funcionários cristãos que não abjuraram sua fé, logo descambou para a demolição de igrejas. E o erguimento de fogueiras para assar pessoas.
Mas, também diferente dos períodos anteriores, essa perseguição aos cristãos gerou reações. O próprio palácio do Imperador foi incendiado duas vezes, com a autoria atribuída aos cristãos, embora Lissner informe que o César Galério teria sido o autor dos incêndios para instigar ainda mais a caça aos seguidores do cristianismo.(pg.462)
A perseguição se intensificou mas, a despeito disso, a fé cristã cresceu, assim como as demonstrações de total desprendimento dos fiéis, que preferiam a morte à renúncia de sua crença.
Segundo Lissner, a própria esposa de Diocleciano, Prisca, e sua filha Valéria, “...convencidas da pureza e da veracidade das ideias cristãs, tinham-se secretamente convertido.”(pg. 463)
Prisca - Valéria
Logo, porém, funcionários do palácio, dos mais altos aos menores, bispos e outros cristãos estavam sendo cruelmente torturados e mortos.
Mas, se por um lado foi liberado o pior instinto, por outro também surgiu a piedade em muitos romanos. Lissner cita casos em que os cristãos foram auxiliados ou que as ordens de conversão forçada e morte eram cumpridas apenas em parte.(pg. 463)
Neste caso, os dois césares estavam em campos opostos. Galério era um perseguidor implacável, enquanto Constâncio evitava qualquer execução de cristãos sempre que possível.
Aproximava-se o momento em que o poder seria dividido entre ambos.


COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – V
Em 01/05/305 d.C., Diocleciano e Maximiniano abdicaram ao trono, assumindo em seus lugares os Césares Constâncio Cloro e Galério. O velho Diocleciano se isolou no palácio de Salona, especialmente construído para seu retiro.
Após sua morte, porém, a vingança cristã finalmente o alcançou. Lissner4 afirma que quando Roma se tornou cristã, uma igreja, suprema ironia, foi construída dentro de seu palácio!
A torre da igreja construída ao lado do mausoléu octogonal de Diocleciano
Os novos Augustos atuaram, em relação aos cristãos, de forma oposta. Ainda durante o reinado de Diocleciano, Galério fora instigador severo da perseguição, enquanto Constâncio destruíra igrejas mas não condenara nenhum cristão à morte.
Ambos mantiveram suas posturas ao chegarem no poder superior, mas Galério, apesar de mais jovem, passou a agir com mais independência que Constâncio e sem oposição conhecida dos dois novos Césares, Severo e Daia, que ajudavam Galério na tarefa de restringir as ações de Constâncio.(pg. 473)
Daia - Severo
Porém, o que mais contribuía para tal atamento de Constâncio era que seu filho, Constantino, vivia na corte de Galério, alcançando postos de prestígio, mas vivendo sob estrita vigilância, cumprindo o papel de um refém de luxo.(pg.474)
Essa situação só mudou quando Constâncio preparou uma campanha militar na Britânia e solicitou a Galério que enviasse Constantino em seu auxílio.
Lissner afirma que Galério não teve como recusar o envio, para não parecer que mantinha o filho de seu colega refém, contudo, ordenou ao César Severo que o prendesse no caminho.(pg.474)
O jovem, contudo, conseguiu escapar e agora estava livre para ajudar o pai.
Continua...


COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – VI

Os planos de Constâncio eram, segundo Lissner5, fazer seu filho Constantino ser querido por suas tropas, garantindo-lhe apoio militar no futuro. E ele conseguiu.

Quando Constâncio morreu, em 306, o exército romano na Britânia proclamou Constantino Imperador. Galério Augustus, porém, fez de Severo seu Co-Imperador, nomeando-o Augustus. E nomeou Constantino como César, ou seja, colocando-o na segunda linha.

Constantino aceitou o posto inferior, mas isso não livrou o império das tempestades que se anunciavam, pois logo um personagem que parecia esquecido, ergueu-se novamente em busca do poder.

O ex Augustus, Maximiniano, que governara junto com Diocleciano, desejava voltar ao poder e, ao mesmo tempo, garantir o futuro de seu filho Maxêncio (ou Magêncio).

Este conseguiu apoio junto à Guarda Pretoriana sediada em Roma e foi aclamado imperador e “...pela derradeira vez, foi Roma cidade imperial.”(pg.476)

Galério Augustus não demorou a reagir, enviando Severo Augustus para combater Maxêncio. Mas este, com apoio de seu pai Maximiniano, conseguiu capturar e assassinar Severo.

Após esta vitória parcial, pai e filho trataram de garantir o apoio de Constantino, realizando o casamento deste com Fausta, filha de Maximiniano e irmã de Maxêncio.

Constantino - Maxêncio
Ao mesmo tempo, Maximiniano proclamou a si mesmo e a Constantino como Augustos, gesto que os colocava contra Maxêncio, que estava em Roma.

Esquecendo-se do fato que os pretorianos haviam aclamado seu filho como Imperador, Maximiniano foi a Roma e “...diante dos legionários reunidos, arrancou a toga imperial dos ombros de Maxêncio.” (pg.476)

Evidentemente foi obrigado a fugir, buscando proteção junto a Constantino. O sistema implantado por Diocleciano estava desmoronando pelas disputas de poder entre velhos e novos Augustus e Césares.

Aparentemente só o próprio Diocleciano poderia por ordem na casa novamente.




COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – VII

Diocleciano, que estava aposentado e aparentemente gozava do respeito de todos os adversários, foi chamado a intervir.

Segundo Lissner6, em 308 d.C., a convite de Galério, o ex Imperador deixou seu palácio às margens do Mar Adriático, onde tornara-se jardineiro, e viajou até Carnunto, para se encontrar com Maximiniano e o próprio Galério.

Neste encontro, Galério e Maximiniano pediram a Diocleciano que voltasse ao poder, o que ele recusou: “- Se cultivásseis vosso jardim em Salona, como eu, seríeis mais felizes!”(pg. 478)

Mas o encontro não deixou de apontar soluções:

Maximiniano teve de consentir em retirar-se ainda uma vez da política. Para substituir Severo, assassinado, os imperadores chamaram Licínio e conferiram-lhe o título de Augusto. Maxêncio, o usurpador de Roma, foi declarado inimigo público. (pg. 478)

Licínio - Constantino
Ao fim do encontro tudo pareceria novamente organizado não fosse pelas ausências de dois dos principais interessados. Constantino, que fora aclamado Augustus, e Daia, o César que, agora, fora preterido. Ambos queriam ser nomeados Augustus também!

Mas não foi dos dois que veio o primeiro movimento. O incansável Maximiniano passou a atuar nos bastidores para desestabilizar Constantino.

Este, porém, não demorou a agir. Executou Maximiniano, declarou-se herdeiro do ex imperador Claudio II e adotou o deus Sol Invictus, de Aureliano, como sua divindade protetora.

Logo, Maxêncio, que não tinha muitos motivos para amar o pai, usou sua morte como pretexto para atacar Constantino.

Os tambores da guerra ressoavam novamente sobre Roma!

Continua...




COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – VIII

Segundo Lissner7, Maxêncio formou um exército composto de “...170.000 infantes e de 18.000 cavaleiros.”(pg. 480) e estabeleceu sua sede em Roma, ordenando a destruição do acesso à cidade, as pontes sobre o Rio Tibre.

Ele contava com muitas vantagens. Um exército duas vezes maior que o de Constantino, o apoio da Guarda Pretoriana, as muralhas da cidade e um bom abastecimento de alimentos.

Por seu turno, Constantino conseguiu recrutar um exército composto de “...90.000 infantes e de 8.000 cavaleiros...”(pg. 480), com o qual chegou às portas de Roma.

Ele ainda conquistou apoio ao redor de Roma, que fora isolada com a derrubada das pontes, e, mais ainda, contava com a simpatia do próprio povo de Roma, dentro dos muros.

Lissner conta que o confronto decisivo ocorreu em 28/10/312 d.C. Na Ponte Mílvia, sobre o Rio Tibre. Maxêncio, que ordenara sua destruição para cortar o acesso a Roma construíra, ao lado, uma ponte de barcos, para permitir passagem às suas tropas.

A Historiografia da época revela um acontecimento milagroso, relacionado a esta batalha. Com algumas diferenças entre si, os relatos de Lactâncio8 e Eusébio de Cesaréia9 dão conta de que Constantino teve uma visão no céu (e depois um sonho), onde lhe foi mostrada uma mensagem: in hoc signo vinces10 (com este símbolo vencerás) e as letras “x” e “p” conjugadas (que são as primeiras letras da palavra Cristo em grego: ΧΡΙΣΤΟΣ11).

Constantino ordenou que o símbolo fosse pintado nos escudos e nos estandartes de seu exército, que, assim caracterizado, marchou para enfrentar as tropas de Maxêncio.

Este consultara os oráculos sibilinos que lhe informaram que o inimigo de Roma morreria, de modo que partiu convicto da vitória. Ele posicionou suas tropas em longa linha de frente, tendo o Rio Tibre na retaguarda, o que dificultou a mobilidade.12

Constantino ordenou um ataque de cavalaria que, apesar do menor número, conseguiu romper a cavalaria de Maxêncio e fazer carga sobre a infantaria cuja linha também rompeu.

Na fuga por sobre a ponte de barcos Maxêncio caiu no rio, morrendo afogado. Quem não conseguiu atravessar antes do colapso da estrutura foi capturado ou morto pelos soldados de Constantino.

Se Constantino teve realmente uma visão espiritual, ou se apenas usou um habilíssimo estratagema para encorajar seus soldados (provavelmente de maioria cristã), o fato é que seu exército inferior derrotou as numerosas mas mal comandadas e pouco motivadas tropas de Maxêncio.

Em 29/10/312 Constantino entrou triunfalmente em Roma, sendo saudado pela população que também podia ver a cabeça de Maxêncio exibida como prova de sua morte. Parece que o inimigo de Roma era ele próprio!






COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – IX
Segundo Paul Veyne13, não foi Constantino que encerrou com a perseguição aos cristãos, já encerrada antes, mas que coube a ele “...fazer com que o cristianismo, transformado em sua religião, fosse uma religião amplamente favorecida, diferentemente do paganismo.”(pg.7).
O autor informa que havia um ambiente de virada da situação dos cristãos pois, no ano seguinte à tomada de Roma por Constantino, o Augusto do Oriente, Licínio, que era pagão mas não perseguia os cristãos, venceu seu rival perseguidor, Daia.
Com esta vitória, Roma voltava a ser uma diarquia, com um Augusto para o Ocidente, Constantino, e outro para o Oriente, Licínio. Ambos já haviam entrado “...em acordo em Milão para que seus assuntos pagãos e cristãos fossem tratados em pé de igualdade...” (pg.8)


A união dos dois homens mais poderosos da terra fora sacramentada através do casamento. Não entre eles, claro, mas entre Constância, filha de Constantino, e Licínio. No acordo foi disposto que o cristianismo seria tolerado e que “...os bens espoliados, os lugares de reunião dos cristãos deviam ser restituídos, as diversas comunidades cristãs reconhecidas.”(LISSNER, pg.491).
Paul Veyne chama a atenção para a diferença fundamental existente entre os cultos pagão e cristão que foram autorizados a conviver no império. Enquanto o fiel pagão tinha uma relação ocasional e de interesse com seus deuses, a quem recorria para o suprimento de suas necessidades, os cristãos agiam como submissos a Deus, vivendo em função de agradá-Lo. (pg.8)
E, se por um lado, Constantino não pretendesse, segundo Veyne, impor a crença cristã aos pagãos, por outro não aceitaria mais qualquer perseguição pagã aos cristãos.
Assim, foi por uma legítima proteção da fé, ou usando-a como pretexto, que Constantino entrou em guerra contra Licínio em 324 d.C. quando este expulsou os cristãos de seu convívio e impediu a passagem das tropas ocidentais pelas terras do Oriente para combater na Sarmátia14.
Vamos, contudo, por partes.


COMO O CRISTIANISMO TRIUNFOU EM ROMA – X
O conflito entre os dois Augustos teve início em 314 d.C. com a Batalha de Cibalis, que terminou com a vitória de Constantino.
Para Lissner15 o segundo confronto, ocorrido na Trácia (Batalha de Márdia), terminou indefinido mas serviu para que os Augustos assinassem um termo de paz que dividiu o Império Romano em dois estados completamente separados e independentes pois “Nenhum deles tinha o direito de imiscuir-se no outro.” (pg.494)
As atitudes dos dois soberanos quando de volta a seus domínios foi totalmente oposta.
Veyne16, defendendo a tese de que Constantino já era cristão convertido nesta época, detalha os pontos que, acredita ele, foram a política do governante já a partir de 312 d.C.(pg.9):
  1. Todas as suas medidas desde então visaram preparar um futuro cristão para Roma;
  2. Ele seria cristão mas permaneceu pagão, não perseguindo os cultos e seus seguidores;
  3. Apoiaria fortemente a Igreja, mas não imporia sua fé;
  4. Proibiria cultos à sua pessoa e dispensaria da realização de ritos pagãos os funcionários públicos cristãos;
  5. Não se empenharia na conversão dos pagãos, deixando esta tarefa à Igreja;
  6. Pensaria em abolir os sacrifícios de animais aos deuses, mas não chegaria a fazê-lo;
  7. Assumiria a função “... auto-proclamada de uma espécie de presidente da Igreja; atribuirá a si mesmo negócios eclesiásticos e usará de rigor não com os pagãos, mas com os maus cristãos, separatistas ou hereges.”(pg.10)
Se no Ocidente a paz reinava por meio das ações de um Imperador politicamente hábil e religioso tolerante, no Oriente Licínio se entregou a uma feroz perseguição contra os cristãos: “As igrejas foram destruídas, os dignatários condenados à morte e os fiéis lançados na prisão.”(LISSNER, pg.494).

Mas, por conta do acordo firmado em Milão, o Ocidente não podia interferir no que se passava no Oriente. A situação mudou quando, em 324 d.C., os bárbaros invadiram o império, atravessando o Rio Danúbio e não foram contidos por Licínio, a quem cabia a tarefa.
Constantino então rompeu o acordo e cruzou as fronteiras dos domínios de seu colega do Oriente para combater os invasores. Este foi o estopim do novo conflito Ocidente x Oriente.
Para Licínio, entretanto, conforme destaca Lissner, esse foi o confronto entre duas fés: “Essa batalha demonstrará qual de nós possui a boa crença […] Se nossos deuses alcançarem a vitória, levaremos a guerra contra todos os infiéis (os cristãos).”(LISSNER pg.495)
A batalha decisiva estava prestes a começar!
Continua...
15LISSNER, Ivar. Os Césares – Apogeu e Loucura: Tradução de Oscar Mendes. Belo Horizonte: Itatiaia, 1964.
 
16VEYNE, Paul. Quando nosso mundo se tornou cristão [312-394]. Tradução de Marcos de Castro. Civilização Brasileira. 2011. Versão eletrônica disp. em:
http://portalconservador.com/livros/Paul-Veyne-Quando-Nosso-Mundo-Se-Tornou-Cristao.pdf
 
Perdeu as primeiras partes do texto? Clique aqui.
Para navegar mais por este blog, clique aqui.
Para ler outros textos na seção "A Semana", clique aqui.
Para ir ao nosso site, clique aqui
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário