Total de visualizações de página

sábado, 25 de abril de 2015

BATALHA DE FORNOVO DI TARO - 70 ANOS

VITÓRIA ESPETACULAR
A Batalha de Fornovo di Taro brindou a passagem da F.E.B. pelos campos de batalha italianos com a marca da glória!
Ocorrida entre os dias 28/04/1945 e 01/05/1945, opôs a F.E.B., Força Expedicionária Brasileira, e a 148ª Divisão do Exército Alemão, sob comando do General Otto Fretter-Pico, apoiada por forças do fascismo italiano, representantes da República Social (o governo fantoche criado por Hitler para Mussolini), sob as ordens do General Mario Carloni.1
Fornovo di Taro é uma comuna italiana da região da Emilia-Romanha, província de Parma, às margens do Rio Taro. Em abril de 1945 encontrava-se em poder das tropas alemãs que resistiam ao avanço dos aliados.
General Otto Fretter-Pico / Don Alessandro Cavalli / General Mario Carloni
Em 27/04/1945, o Major Cordeiro Oeste, utilizando-se da intermediação de um vigário italiano, Don Alessandro Cavalli, Pároco de Neviano de Rossi, enviou às tropas alemãs o aviso de que estavam cercadas e propondo a rendição honrosa.
Ao comando da tropa situada na região de Fornovo-Respiccio.
Para poupar sacrifícios inúteis de vida, intimo-vos a render-vos incondicionalmente ao comando das tropas regulares do Exército brasileiro, que estão prontas para vos atacar. Estais completamente cercados e impossibilitados de qualquer retirada. Quem vos intima é o comando da vanguarda da Divisão brasileira, que vos cerca. Aguardo, dentro do prazo de duas horas, a resposta do presente ‘ultimatum’. Assinado: Nélson de Mello, Coronel” [comandante do 6º RI].2
Generais Zenóbio da Costa, Mascarenhas de Morais e Cordeiro de Farias
Os alemães pediram os termos por escrito e, quando os receberam, avisaram que iriam consultar seus superiores. Não sabemos a resposta do Alto Comando alemão, mas, sabe-se que as ordens de Hitler eram, geralmente, para resistir até à morte.
Contudo, naquele final de Abril a capacidade de Hitler para comandar suas forças armadas, com o Exército Vermelho chegando à chancelaria, era mínima, quando não inexistente. Os brasileiros, portanto, não esperaram pela tergiversação alemã e em 28/04 o ataque começou.
As tropas do 1º e do 11º Regimentos bloqueavam as rotas de fuga. O 6º Regimento, com apoio de artilharia, engenharia, reconhecimento e de tanques americanos, atacou.
A força principal avançou pelo Sul, vinda da localidade de Collecchio, era comandada pelo Major João Carlos Gross, e encontrou violenta resistência alemã. As tropas brasileiras resistiram aos intensos contra-ataques entre a noite de 28 e a madrugada de 29/04/1945.
Fornovo di Taro nos dias atuais. Ao fundo o Rio Taro.
Apesar dos violentos combates, as negociações de paz foram retomadas e emissãrios alemães foram ao encontro dos oficiais brasileiros em Collechio onde estes lhes confirmaram os termos de rendição: incondicionais.
Diante da situação insolúvel os alemães aceitaram baixar as armas. Coube aos Sargentos Joaquim Matheus e Luiz Pedrozzelli 3 a rajada final de tiros brasileiros na Itália, disparada na madrugada de 29/04/1945.
Terminava a última batalha da F.E.B. na Segunda Guerra Mundial. E foi um fecho com chave de ouro, como um dos relatos da rendição alemã permite vislumbrar:
Combinada a rendição, cessou o fogo dos dois lados. Na manhã seguinte vieram as formações marchando garbosamente, cantando a canção ‘velhos camaradas’, também conhecida no nosso Exército”.
A cerimônia era tocante” – prosseguiu Dionísio. “Era até mais cordial do que o final de uma partida de futebol. Podíamos ser inimigos, mas nos respeitávamos e parecia até haver alguma afeição. Eles vinham marchando e cada companhia colocava suas armas numa pilha, continuando em forma, e seu comandante apresentava a tropa ao oficial brasileiro que lhe destinava um local de estacionamento. Só então os comandantes alemães se desarmavam. A primeira Unidade combatente a chegar foi o 36 Regimento de Infantaria da 9° Divisão Panzer Grenadier. Seguiram-se mais de 14 mil homens, na maioria alemães, da 148° Divisão de Infantaria e da Divisão Bessaglieri Itália que os acompanhava”.4
Colunas de Soldados alemães em rendição
Armamento alemão capturado
A F.E.B. foi a única força militar do teatro de operações da Itália a capturar uma Divisão inteira do Exército Alemão.
Em números aproximados, os brasileiros capturaram 14.779 homens, entre soldados, oficiais e dois generais, 4.000 cavalos, 80 canhões, 1.500 viaturas, além das metralhadoras, fuzis, munição e armas leves. O fim da presença nazista na Itália estava próximo, assim como a guerra na Europa.
Soldados alemães prisioneiros

A Força Expedicionária Brasileira foi brilhante em Fornovo di Taro. Surpreendeu as forças alemãs em Collecchio e as obrigou a recuar para Fornovo. Cercou-as e resistiu à desesperada tentativa de rompimento do cerco, não deixando outra opção aos alemães que não a rendição incondicional.
A rendição alemã aos oficiais brasileiros.

F.E.B. – gratidão e orgulho eternos do Brasil! E nossa homenagem também ao esquadrão Senta a Pua, da Força Aérea Brasileira, que teve participação fundamental no apoio ao avanço aliado na Itália.
Placa comemorativa da rendição alemã intermediada por D. Alessandro Cavalli.

Pilotos do Senta a Pua!


Imagens:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Otto_Fretter-Pico
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fornovo_di_Taro
http://www.mymilitaria.it/liste_04/2_addestramento_oro.htm
http://www.portalfeb.com.br/longa-jornada-com-a-feb-na-italia-fornovo-di-taro/
https://chicomiranda.wordpress.com/tag/rendicao-alema-ao-brasil/
1A Cobra Fumou. A história dos verdadeiros herois brasileiros. Batalha de Forovo di Taro
Disp.: http://cobrafumou.webnode.com.br/historia3/batalha-de-forovo-di-taro/ - 06/03/2015
2CASTRO, Adler Homero Fonseca de. A FEB, a ofensiva aliada na Itália e a ação em Collecchio-Fornovo
http://www.grandesguerras.com.br/artigos/text01.php?art_id=50
3LUIZ, André.: Último Tiro de Artilharia e a Rendição Incondicional Alemã -148ª Divisão de Infantaria
http://segundaguerra.net/ultimo-tiro-de-artilharia-e-a-rendicao-incondicional-alema-148a-divisao-de-infantaria/
4Cel. Hiram Reis e Silva. Por que a 148ª Divisão Alemã se entregou somente aos brasileiros na Itália?
http://oblogdoabelha.blogspot.com.br/2011/08/118-guerra-na-italia-148-divalema-so-se.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário