Total de visualizações de página

terça-feira, 23 de julho de 2019

TEXTO: HISTÓRIAS DE GUERRA 2


O JULGAMENTO DE TÓQUIO
Em um dia como este 19 de janeiro, no ano de 1946, o General Douglas Mac Arthur, comandante das Forças Armadas dos Estados Unidos no Extremo Oriente, proclamou a Carta do Tribunal Internacional Militar para o Extremo Oriente, documento que estabelecia as bases legais para o julgamento de crimes cometidos pelos líderes do Império do Japão durante a II Guerra Mundial.
Esses crimes foram divididos em três categorias: "Classe A" (crimes contra a paz), "Classe B" (crimes de guerra) e "Classe C" (crimes contra a humanidade)” referindo-se, a primeira, a ação para iniciar a manter o conflito e as duas últimas referindo-se a atrocidades cometidas durante os conflitos. 
Apesar de ser um tribunal que visava os líderes japoneses, o Imperador Hiroito não foi acusado, bem como nenhum outro membro da família imperial, como parte da estratégia estadunidense de pacificar o Japão deixando ao país um símbolo em torno do qual pudesse se reunir.
O tribunal também não serviu para julgar funcionários e militares subalternos, o que ocorreu em outros tribunais, realizados em outras cidades e países, a exemplo da China, que instituiu 13 tribunais que produziram “504 condenações e 149 execuções”. 
O julgamento foi presidido por onze juízes, um de cada país aliado na Guerra do Pacífico: “Estados Unidos da América, República da China, União Soviética, Reino Unido, Países Baixos, Governo Provisório da República Francesa, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Índia Britânica e Filipinas”.
A abertura dos trabalhos ocorreu em 03/05/1946 com o discurso do Procurador-Geral Joseph Keenan. Quando chegou sua vez, a defesa dos 28 acusados rejeitou o nome de William Web como Presidente do Julgamento, no que foi atendida, e tentou anular o julgamento argumentando ser impossível não matar em guerras bem como individualizar culpas em crimes internacionais, o que foi rejeitado.
Nas sessões seguintes a acusação prosseguiu listando os acordos e tratados internacionais violados e a sequência de eventos que se iniciou com a invasão da China após o incidente da Manchúria em 1928, bem como as inúmeras violações, chacinas, pilhagens, torturas, etc. 
A defesa questionou o direito do vencedor julgar o vencido, rejeitou a tese de conluio e defendeu algumas ações como defesa dos interesses e da própria existência do país.
Dos 25 acusados que chegaram ao final do julgamento (dois morreram antes e um enlouqueceu), apenas o General Hideki Tojo reconheceu a própria culpa nas acusações. Os demais alegaram-se não culpados, tendo agido sob ordens. 
O veredito condenou à morte por enforcamento sete dos acusados, inclusive Tojo. Outros dezesseis foram condenados à prisão perpétua. Os demais receberam penas de 20 e 7 anos respectivamente.
Conheça e curta nossa página no Facebook, clicando aqui.
Se inscreva em nosso canal do Youtube clicando aqui.
Segue a gente no Instagram clicando aqui.
Para ler as mini-séries do Reino de Clio, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História Geral, clique aqui.
Para conhecer nossa seção de História do Brasil, clique aqui.
Para fazer visitas virtuais a alguns dos mais importantes museus do país, clique aqui.
Para conhecer a Revista Reino de Clio, clique aqui.

Fontes e Imagens:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Tribunal_Militar_Internacional_para_o_Extremo_Oriente
https://en.wikipedia.org/wiki/International_Military_Tribunal_for_the_Far_East

https://pt.wikipedia.org/wiki/Hideki_T%C5%8Dj%C5%8D




A BATALHA DE MARATONA
Antecedentes
Entre os anos de 500 e 494 a.C., as cidades de Atenas e Erétria apoiaram Mileto, cidade de origem grega da Ásia Menor[1], em sua revolta contra os persas. 
Essa e outras cidades de origem grega da Ásia Menor “...há muito submetidas à Pérsia, eram igualmente os celeiros tanto das cidades jônicas como das do território central grego.[2]
Mas as relações entre os gregos e persas eram relativamente pacíficas até então. Quando partiu para conquista da Trácia, por exemplo, Dario I contou com apoio de uma grande frota naval grega, que “...navegou da Jônia até a foz do Ister (atual Danúbio).[3]
O confronto aconteceu por causas variadas. Uma delas teria sido o ressentimento dos gregos pelo domínio persa, apesar de que “Os costumes, as crenças e as próprias instituições de cada cidade foram respeitadas. Havia mesmo liberdade intelectual...[4]
Quando a Pérsia conquistou o Estreito de Bósforo, passando a dominar o comércio na região, o fez em prejuízo dos gregos e benefício dos fenícios, o que constituiu uma causa econômica do conflito.[5]
A situação se deteriorou completamente quando a Pérsia tentou interferir na política interna de Atenas, apoiando a volta da tirania de Hípias, que fora expulso da cidade. Quando a revolta surgiu em Mileto, Atenas se uniu à Erétria, enviando tropas para atacar Sardes. Foram derrotados pelos persas.[6]
Dario I fez concessões aos derrotados, “...o estabelecimento de um cadastro parece ter permitido uma distribuição mais equitativa do imposto e certas cidades foram autorizadas a conservar a constituição democrática que tinham promulgado desde 498. [7]
Mas Dario I, que vira o potencial destrutivo de uma revolta na Ásia Menor, apesar da falta de unidade dos gregos, parece ter percebido que a região estaria sempre em perigo enquanto as cidades da Grécia peninsular se mantivessem livres de sua autoridade.[8]  Quatro anos depois da vitória, ele enviou um exército para punir aquelas cidades gregas, iniciando a I Guerra Médica (Os gregos chamavam os persas de Medos, daí Médicas).
A PRIMEIRA GUERRA MÉDICA
A quantidade de soldados e navios empregados pelos persas é variável como o número de historiadores a escrever sobre ela, de modo que não há como cravar um número exato de soldados.
Os primeiros alvos da ofensiva persa foram as cidades de Naxos e Erétria, que foram tomadas. Em seguida o exército invasor se dirigiu à Ática (território grego) e desembarcou em Maratona.[9]
O local, indicado por Hipias, era importante por conta das vantagens estratégicas que proporcionava: “Uma praia de areia, abrigada dos ventos do Norte e do Oriente, fornecia um abrigo seguro à frota persa; a planície de Maratona oferecia casualmente o campo livre a manobras de cavalaria, contra as quais a infantaria ateniense seria impotente.[10]
Uma frota bem protegida, apoiando um exército numeroso, que escolhera o lugar ideal para lutar com seus melhores recursos. Tudo pendia para o lado persa em Maratona. A célebre batalha estava prestes a começar.
A BATALHA DE MARATONA
A Baia de Maratona, vista a partir do lado oposto ao ancoradouro persa. No centro da imagem, ao fundo, o Cabo Cinosura. Google Street View

Sob o comando de Dátis, os persas atracaram seus navios na baia de Maratona, na qual o Cabo Cinosura protegeria os navios dos ventos. O local parece ter sido escolhido também pela proximidade de um lago, hoje seco, que serviria de fonte de água ao exército.[11]
Apesar da distância, a notícia do desembarque logo chegou a Atenas onde Milcíades, um dos líderes atenienses, clamou pelo ataque imediato.[12]
Um emissário foi enviado a Esparta para solicitar ajuda, mas estes responderam que “não podiam fazê-lo imediatamente, pois não queriam infringir a lei que os proibia de se porem em marcha antes da lua cheia...[13], de modo que as forças que Milcíades conseguiu reunir partiram sem os reforços pretendidos.
Os atenienses teriam se deslocado pela rota que “...passa através de Palene, contorna o monte Pentélico por sudeste e acede a planície de Maratona também por sudeste.[14] e, acampados no santuário de Héracles, receberam o reforço de tropas de Plateia. As forças gregas tomaram posição por entre as árvores do santuário de Héracles, impedindo o uso da cavalaria persa.[15]
A Praia Schinias, local onde ancorou a frota persa. No centro da imagem, ao fundo, o Cabo Cinosura. Google Street View
O Monte Agrieliki nas imediações da provável localização do Santuário de Héracles, onde teriam acampado os gregos. Google Street View

Sem poder usar sua força principal e premido pela iminente chegada dos espartanos, Dátis foi obrigado a confiar no maior número de sua infantaria.[16] Então os gregos saíram do bosque e a batalha começou.[17]
Há divergências quanto ao posicionamento das tropas para a batalha e as versões são duas. Na primeira os persas teriam se posicionado de costas para o mar, entre dois rios que desaguavam na baia.[18]
Na segunda os persas se alinharam com o mar à sua esquerda, e os gregos avançaram com as águas à direita, hipótese defendida por Sekunda, considerando a informação de que muitos persas fugiram para a área de vegetação chamada Grande Marisma, já próxima à praia onde estava ancorada a frota.[19]
As duas hipóteses: à esquerda os gregos atacam em direção ao mar. À direita os gregos atacam com o mar à sua direita.

Quando o ataque começou os gregos avançaram por cerca de 1200m e correram outros 300m quando os persas dispararam as flechas. No choque inicial houve equilíbrio e os combates corpo a corpo prolongaram-se.[20]
Depois as tropas persas do centro conseguiram fazer recuar os gregos. Heródoto afirma que os atenienses ocuparam a ala direita e os plateus a esquerda, mas na parte central “...as fileiras não eram muito compactas, tendo aí o exército o seu ponto fraco;[21] e foi justamente no centro que os persas levaram vantagem, fazendo recuar as forças gregas.
Os persas poderiam ter vencido se as laterais gregas não rompessem suas linhas à esquerda e à direita, fazendo-as fugir em direção aos navios.[22]
Na perseguição, os gregos chegaram à praia de Schinias, onde os fugitivos persas da ala esquerda tentavam embarcar em seus navios que recuavam para águas mais profundas.[23]Segundo Heródoto:
A batalha de Maratona foi longa e cheia de peripécias. Os bárbaros conseguiram desbaratar as fileiras do centro do exército ateniense, pondo em fuga os remanescentes; mas as duas alas compostas de Atenienses e Plateus atacaram as forças persas que haviam rompido o centro do exército, impondo-lhes uma derrota irreparável. Vendo-as fugir, lançaram-se em sua perseguição, matando e esquartejando quantos encontraram pela frente, até a beira-mar, onde se apoderaram de alguns dos navios inimigos. [24]
Área próxima ao provável centro dos combates (desconsiderando eventuais avanços ou recuos do mar). Google Street View
A Praia Schinias, local do acampamento persa, para onde os soldados fugiram em busca de seus navios. Google Street View

Não é difícil imaginar que soldados desesperados tentando embarcar a qualquer custo tenham se tornado alvos fáceis para os perseguidores gregos ao mesmo tempo em que prejudicavam a partida dos barcos. Sekunda afirma que os gregos capturaram sete deles.[25]
Área do Grande Marisma, região pantanosa na época da batalha, nas imediações da Praia Schinias, para onde os soldados persas fugiram e de onde poucos sairam. Google Street View
Menos sorte ainda tiveram os fugitivos da ala esquerda persa, refugiados no Grande Marisma pois, quase impossibilitados de chegar aos navios, coisa que poucos lograram fazer, tornaram-se alvos ainda mais fáceis para os gregos.[26]




[1]     Atual Turquia.

[2]     (CULICAN;1968)pg. 77

[3]     Idem

[4]     GIORDANI, Mario Curtis. Historia da Grecia. 2. ed. RJ: Vozes, 1967. pg. 118

[5]     (CULICAN;1968) pg. 78
      (GIORDANI; 1967) pg. 118

[6]     (CULICAN;1968) pg. 78-79

[7]     HATZFELD, Jean. Historia da Grecia antiga. Lisboa, Europa-América, S.d. pg. 119

[8]     (HATZFELD;s.d.) pg. 119

[9]     Ibid. pg. 120-121

[10]    (HATZFELD;s.d.) pg. 121

[11]    SEKUNDA, Nicholas. Maratona 490 a.C. Desafio Helênico à Pérsia. Barcelona, Osprey 2010. pg. 35

[12]    (HATZFELD;s.d.) pg. 120-121

[13]    HERÓDOTO. História - Érato-CVI. Trad. Pierre Henri Larcher (1726–1812). pg.493.

[14]    (SEKUNDA;2010) pg.41

[15]    (SEKUNDA;2010)  pg. 42

[16]    Ibid. pg.52

[17]    Idem

[18]    CONTEÚDO aberto. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. Disponível em:
      http://it.wikipedia.org/wiki/Battaglia_di_Maratona. Acesso: 16/05/15

[19]    CONTEÚDO aberto. In: Wikipédia: a enciclopédia livre. Disponível em:
      http://it.wikipedia.org/wiki/Battaglia_di_Maratona. Acesso: 16/05/15

[20]    (SEKUNDA;2010) pg. 64-65

[21]    HERÓDOTO. História - Érato-CXI.  pg.496

[22]    (SEKUNDA;2010) pg.70

[23]    Ibid. pg. 71

[24]    HERÓDOTO. História - Érato-CXIII. pg.497              

[25]    (SEKUNDA;2010) pg. 72


[26]    (SEKUNDA;2010)  pg. 70





22 AGOSTO
ENTRADA DO BRASIL NA II GUERRA MUNDIAL
No ano de 1942, no dia 22 de agosto, após o torpedeamento de vários navios na costa nordestina, o Brasil declarou guerra contra a Alemanha nazista e a Itália fascista.
O Presidente Getúlio Vargas mantivera o Brasil na posição de neutralidade, pois isso dava ao país condições de tirar vantagem dos dois lados do conflito e o país era cortejado tanto pelos aliados, em especial os EUA, quanto o Eixo.
Foi com essa estratégia que Getúlio conseguiu apoio americano para construção da Siderúrgica de Volta Redonda, que veio a colocar o país finalmente no rumo concreto da industrialização.
Getúlio fez essa situação de neutralidade vantajosa perdurar o quanto foi possível, até que o sistemático afundamento de navios brasileiros fez a opinião pública clamar pela guerra.
Em Março de 1942 bens de alemães, italianos e japoneses foram confiscados e em Maio do mesmo ano foi decretado o Estado de Beligerância. Os ministros de Getúlio que eram favoráveis ao Eixo deixaram o governo.
Também em 1942, um encontro de diplomatas americanos rompeu relações do continente com o Eixo, exceto Chile e Argentina.
Apesar de todos esses movimentos, foi somente com o afundamento dos navios brasileiros na costa de Sergipe que a guerra foi finalmente declarada. Saiba como foram os três primeiros desses ataques em nosso documentário SERGIPE NA MIRA DE HITLER! Clique e assista!

Chegava o momento de o Brasil enviar seus filhos para defender a liberdade e a humanidade em seu momento mais sombrio.
Fontes:
http://reino-de-clio.com.br/Hist-Brasil.html 

Imagens:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Navios_brasileiros_afundados_na_Segunda_Guerra_Mundial
https://br.pinterest.com/8ima/historical-moments/




Nenhum comentário:

Postar um comentário